Notice: WP_Scripts::localize foi chamada incorretamente. O parâmetro $l10n deve ser um array. Para passar um dado arbitrário para os scripts, use a função wp_add_inline_script() ao invés. Leia como Depurar o WordPress para mais informações. (Esta mensagem foi adicionada na versão 5.7.0.) in /home/storage/4/62/0b/potencializeeducacio/public_html/wp-includes/functions.php on line 5663

Por que devemos nos preocupar com a procrastinação?

Como saber se você está estudando bem ou mal?
22 de outubro de 2020
Como os pais podem ajudar na rotina de estudos das crianças?
16 de novembro de 2020
Show all

Por que devemos nos preocupar com a procrastinação?

A procrastinação é um comportamento multifatorial que se define por postergar tarefas sem controle, o famoso “deixar para amanhã”. Pesquisas apontam que procrastinar nos estudos está relacionado com uma baixa eficiência de aprendizagem, baixa autoestima, autonomia e baixa autoeficácia. Isto é, a falta de autorregulação, o estresse, a ansiedade, o medo de falhar e a exaustão são fatores que resultam na procrastinação e que podem trazer consequências negativas para a vida do estudante, como um mau desempenho em avaliações. É um ciclo vicioso, mas não é impossível de ser contornado. 

A fórmula para aprender um determinado assunto é ou ser intensamente afetado pelo que está sendo estudado ou estar em constante contato com o tema de diversas formas. A procrastinação é contrária à aprendizagem por não permitir que você tenha o tempo necessário para se dedicar ao ato de estudar, já que o tempo que você tinha você utilizou para outras tarefas. Estresse e ansiedade acabam sendo comuns um dia antes de avaliações quando você tem que revisar e estudar um material muito mais extenso do que o ideal. Nesse contexto, fica muito mais difícil de aprender e aumenta nosso impulso de procrastinar, por criar um ciclo vicioso. aprender de forma verdadeira dificilmente ocorre. 

Criar um hábito de estudo consistente e diário é uma tarefa que exige dedicação e que comumente falhamos por pular um ou outro passo importante. Mas longe das falhas significarem uma impossibilidade de estudar de forma profunda e efetiva, elas indicam que nossos meios talvez não estejam funcionando e que precisamos tomar uma ação diferente. Persistir deve ser a palavra de ordem. Entender que a procrastinação faz parte da vida de todo mundo em determinados momentos e que pode ser evitada com uma compreensão maior de si e de quais são seus gatilhos para procrastinar é fundamental. 

Por exemplo, se acordar cedo para estudar é algo que te motiva, mas você frequentemente está acordando tarde, gerenciar seu tempo no sentido de criar novos gatilhos e tarefas que preparam o ambiente para você estudar é chave. Antes de dormir, determine um caminho para a manhã como: assim que o despertador tocar, beber água, ir ao banheiro e escovar os dentes e ao voltar para o quarto, fazer sua cama, trocar de roupa e enfim, se dedicar aos estudos todos os dias. Isso faz seu corpo e mente associarem essas tarefas cotidianas com o ato de estudar. Aplicativos como o Routinely partem de uma ideia semelhante e podem te ajudar a organizar suas atividades. 

A questão principal é descobrir meios de gerenciar o próprio tempo e de ser mais eficaz nos estudos para evitar um desgaste maior nas vésperas de uma prova e desenvolver um aprendizado que é duradouro e não refém do esquecimento. A curva de Ebbinghaus demonstra precisamente o que ocorre quando os estudos não são feitos nos momentos que deveriam e indica quão difícil aprender vai se tornar a cada dia que passa. 

Curva do Esquecimento de Ebbinghaus

Para evitar que o esquecimento seja regra, estudar e revisar regularmente é necessário. Não procrastinar é a forma mais efetiva de alterar a curva e isso significa se responsabilizar com os estudos, criar uma noção de longo tempo e não imediata sobre o que está aprendendo e usar os mecanismos possíveis para gerenciar seu dia a dia. Sabendo evitar a procrastinação, passamos do esquecimento para a memória:

Fontes: Aprendizagem e Procrastinação: Uma Revisão de Publicações no Período 2005-2015

What is the forgetting curve? How do you use it to improve your memory?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrar em contato
Olá tudo bem? Posso ajudar ?